Saturday, July 9, 2016

Guia Completo sobre Carboxiterapia

A carboxiterapia, em uma definição simples, refere-se à administração cutânea e subcutânea de gás de dióxido de carbono [CO2] para fins terapêuticos.

As indicações estéticas mais comuns para o tratamento com carboxiterapia são para celulite, redução de gordura localizada, estrias, cicatrizes de acne, flacidez da pele e redução de rugas, até a diminuição de olheiras, e calvície.

carbox

Diferente de outros gases, este é um gás atóxico e não embólico, ou seja, não deixa resíduos no organismo, e está naturalmente presente nosso corpo, ajudando nos processos relativos ao metabolismo celular.

Esta é uma explicação simples, mas não envolve o assunto todo.

Em todo o mundo, a carboxiterapia, ou terapia carbox, é alvo de muita controvérsia.

Vamos abordar detalhadamente cada ponto desta questão.

A origem da Carboxiterapia, e seu uso em outras áreas da medicina.

A aplicação de carbox, ou gás carbônico para efeitos estéticos é recente, mas sua aplicação na medicina teve início em 1930, na estação de águas termais de Royat-Chamalières, na região de Avergne, França.

O uso inicial era para tratar pacientes com problemas circulatórios nas pernas, as chamadas doenças vasculares periféricas, e na ocasião, não era injetado sob a pele como é feito atualmente.

O anidro carbônico (gás carbônico ou CO2) usado para este fim era administrado por meio de banhos – o paciente fazia a imersão da área afetada na água, e isto ajudava a normalizar a circulação sanguínea.

O cardiologista Dr. Jean Baptiste Romuef publicou um artigo que documentava a sua longa experiência usando esta técnica, mostrando excelentes resultados.

Carboxiterapia aplicada sob a pele

O uso da aplicação subcutânea (dentro da pele) do dióxido de carbono misturado com oxigênio foi publicada em meados de 1960, sendo oficialmente o início do uso do que conhecemos hoje como a carboxiterapia, mas ainda não voltado para a estética.

Até aquele momento, o uso era exclusivamente para tratar doenças com atribuições relativas a circulação sanguínea comprometida, como arteriopatia crônica e gangrena, porque o uso de CO2 injetável (gás carbônico) havia se mostrado muito útil para a melhora da circulação periférica nos pacientes.

A aplicação da carboxiterapia também é feita nas cirurgias de videolaparoscopia, para a insuflação da cavidade abdominal, onde o gás atua aumentando o abdômen e permitindo ao médico “ver como está lá dentro”.

E é usada também nas histeroscopias e como contraste em arteriografias e ventriculopatias.

tratamento carboxiterapia

Como a carboxiterapia age no corpo?

O CO2 está presente naturalmente em nosso corpo, como resultado de nosso próprio metabolismo dentro das células.
Em outras palavras, as células estão constantemente consumindo O2 (oxigênio), que chega até elas por meio da respiração, e produzindo o CO2, que é então levado de volta aos pulmões para sair quando exalamos o ar.

Percebe? Respiramos oxigênio e exalamos gás carbônico. Isso é uma ação natural do nosso organismo.

É uma troca. Assim, quando há mais CO2 do que oxigênio, o corpo trabalha para equilibrar, e aumenta a circulação sanguínea, para que mais oxigênio – por meio do sangue (via hemoglobina) chegue até as células.

O princípio de ação da carboxiterapia é este. Por meio de uma agulha, é feito a aplicação do anidro-carbônico sob a pele, nas regiões onde se deseja aumentar o fluxo sanguíneo, e assim, renovar a pele.

A medida que o corpo envelhece, algumas áreas tendem a ser menos oxigenadas, não há um prejuízo real, apenas estético, na maioria dos casos, mas que pode ser alterado com o estimulo provocado pela ação de desequilíbrio que a injeção de CO2 proporciona.

Durante a sessão de carboxiterapia a área tratada recebe uma dose extra de gás, que o corpo reequilibra mandando mais oxigênio. É isto que causa o efeito rejuvenescedor das células, e melhora o aspecto da pele.

O uso da terapia carbox na estética e o reconhecimento na Europa.

O uso do anidro-carbônico é considerado válido como parte da medicina estética pela Sociedade Espanhola de Medicina Estética, que define a carboxiterapia entre as atividades exercidas. E, em países como a França e a Itália, o uso também é reconhecido por suas aplicações terapêuticas. Na Itália, inclusive, foi fabricado um aparelho com a função especifica de injetar sob doses bem controladas o CO2 nas áreas que passarão por tratamento.

A técnica desenvolvida pelos italianos é a mais utilizada no mundo, envolvendo ainda o aquecimento do gás antes da aplicação.

A Inglaterra e a Irlanda utilizam há bastante tempo a carboxiterapia também, é de lá um dos médicos mais renomados na área, e o premiado dr Patrick J Treacy, defende e afirma que a “carboxiterapia é a única forma de tratar as estrias de mulheres com a pele mais escura…de forma eficaz e pouco invasiva”, ele diz ainda que há uma regeneração da área que se torna mais firme com as aplicações.

Qual o profissional está autorizado a aplicar a carboxiterapia?

Nos Estados Unidos, apenas os médicos cirurgiões plásticos estão autorizados a executar este procedimento.

Na Europa os médicos formados em medicina estética podem realizar, e a partir de novembro de 2015, ficou entendido que no Brasil, os farmacêuticos além dos fisioterapeutas e médicos, poderiam realizar o procedimento.

O fato de haverem profissionais qualificados autorizados, não descarta a possibilidade de que clinicas que oferecem o tratamento o realizem sem o aval ou mesmo a permissão dos órgãos que regulamentam a carboxiterapia, ou seja, mesmo sem ter um profissional médico, fisioterapeuta ou farmacêutico, ainda há clinicas realizando.

Cabe exclusivamente ao paciente verificar se a clínica em questão tem ou não o suporte para o tratamento.

O diretório Dermatologista Especialista recomenda médicos dermatologistas, que fazem parte da Sociedade Brasileira de Dermatologia

Clínicas de Dermatologia

carbox para estrias

Proibição de comerciais que atestam a eficácia, nos EUA e no Brasil

Nem tudo o que passa nos comerciais corresponde à verdade, por isto mesmo, a Anvisa, aqui no Brasil e a  FDA (Food and Drug Administration), nos EUA, resolveram tomar medidas mais severas e até punitivas para diminuir a publicidade em que  as empresas, fabricantes e sites de tratamentos para a celulite, afirmam ter possuem uma solução para o problema.

Basicamente, foi feito uma proibição, em que os médicos não podem aparecer confirmando os benefícios do tratamento com os produtos ou equipamentos para a carboxiterapia.

Os médicos podem falar em revistas e publicamente, sobre o tratamento, mas sem citar nomes como propaganda.

A ideia é que os consumidores fiquem cientes de que não há tratamentos bem documentados como eficazes para a celulite.

Os EUA ainda dizem não à regulamentação da carboxiterapia

A Physicians Coalition for Injectable Safety afirma categoricamente que o FDA não aprovou a carboxiterapia, e faz um alerta aos consumidores:

“Embora muitos sites ou fornecedores afirmarem que a Carboxiterapia é segura e aprovado pela FDA, ela ainda não foi clinicamente testada ou aprovada pela FDA para estes fins”, diz o dr Robert Weiss – se referindo aos “fins estéticos”.

Segundo ele, a “carboxiterapia para uso em torno dos olhos é especialmente perigosa. Podendo potencialmente libertar bolhas de gás em vasos sanguíneos, o que pode causar cegueira. Além disso, os riscos de colocar o dióxido de carbono em seu corpo são atualmente desconhecidos.”

Carboxiterapia Funciona realmente para reduzir a celulite ou diminuir as medidas?

Há estudos que indicam que funciona sim, um deles foi feito durante quatro anos, com os pacientes de uma clínica, que foram acompanhados de perto por uma equipe de pesquisa.

Neste estudo eles avaliaram se houve diminuição das medidas e constataram que nas mulheres acima de 29 anos os benefícios quanto a celulite era mais visível.

Para o estudo foram selecionadas pacientes que não estivessem fazendo nenhum outro tratamento para perder peso, nem dieta.

Durante o período em que o estudo foi feito, o peso, as medidas abdominais, e da circunferência da coxa foram registradas no início e após cada sessão de tratamento.

O grupo de mulheres mais jovens (idade entre 20-29 anos) tiveram poucos resultados, isto porque como a celulite é pouco visível nesta idade, não houve uma melhora que pudesse ser notada.

Nas mulheres com idade superior a 39 anos, eles puderam ver uma redução de até 3 cm na circunferência do abdômen. Nas coxas, cerca de 1,5 cm de redução e em relação ao peso, as participantes relataram uma redução de até 1 quilo após as 5 sessões do tratamento. Não foi um quilo por sessão, mas sim, um quilo no total.

O estudo mostrou que 70 % das mulheres (com idades entre 29 anos a 50anos) tiveram resultados mensuráveis e satisfatórios quando usaram o tratamento para a diminuição da celulite e redução das estrias, bem como para diminuição abdominal.

Quando foi feita uma medição via ultrassom, da gordura que estava sob a pele, eles também perceberam uma grande diferença, havia diminuído consideravelmente.

 

Carboxiterapia e Lipoaspiração

Foi publicado em 2005 um estudo bem detalhado sobre os efeitos da carboxiterapia quando usada como um tratamento aliado da lipoaspiração.

O Dr. Cesare Brandi, tratou um grupo de mulheres por 10 sessões, e conseguiu afirmar que a pele se tornou bem mais lisa após o tratamento, e as medidas ainda foram mais reduzidas, em uma média de 0,05 cm.

Há uma confusão comum, em que os pacientes são levados a acreditar que a carboxiterapia é necessária após passar por uma lipoaspiração. Isto não é verdade. O que ocorre é que seus efeitos podem ser ‘potencializados’ quando combinados.

Contraindicações – quem não pode passar por tratamento estético com CO2?

A Dr Catherine de Goursac, renomada médica na área de tratamentos estéticos, informa que há sim, contraindicações para o tratamento carbox.

Segundo ela, a “carboxiterapia torna a pele mais elástica, e pode ser usado para melhorar a microcirculação e para diminuir flacidez da pele. O Dióxido de carbono gasoso pode intensificar a microcirculação e por isso melhora a oxigenação das células. As células da pele começam a funcionar de forma mais eficaz”.

No entanto, pacientes com histórico de infarto do miocárdio, hipertensão, flebite, gravidez e doenças infecciosas da pele nas áreas afetadas, não devem realizar o procedimento.

Quais as outras aplicações estéticas associadas ao uso de CO2?

Além do uso já conhecido, a Dra. Catherine de Goursac, diz que o CO2 pode ser aplicado em um nível ainda mais profundo, e além de destruir as células de gordura que formam a celulite, poderiam ser usadas em outras partes do corpo.

“À área clássica para carboxiterapia é a superfície dos quadris, mas também podemos usar na no pescoço, tórax, e também para ajudar a corrigir o formato do rosto (nesta área o resultado é mais visível). Para algumas pessoas o CO2 afeta não só a pele, mas também os músculos. ”

Ela informa que “também obteve resultados interessantes na limpeza de manchas de pigmentação” após uma sessão de carboxiterapia.

Como é feita a aplicação do CO2 , quais os efeitos colaterais, e principalmente, é doloroso?

O artigo “Carboxiterapia – Novos Métodos Não Invasivos De Medicina Estética” publicado na revista Journal of Physicians, fala da aplicação e dos efeitos imediatos sentidos por pacientes usando o aparelho Carbomed automático de Terapia de Dióxido de Carbono (Carbossiterapia Italiana Srl, Via Zanella, MI, Itália) e agulhas de micro lance calibre 30, 0,3 × 13.

A profundidade em que a agulha entra na pele é de 10 a 13 mm. carbox

A função do aparelho é medir a dosagem em mililitros, auxiliando também na regulagem da vazão.

Normalmente a infusão é administrada a uma velocidade de 50 a 100 ml / min, e a quantidade total de CO2 infundido é de 500 a 1000 ml para o abdômen e de 800 a 1000 ml para cada coxa ao longo de um 20 a 30 min período.

As dosagens e o tempo costumam variar de acordo com a parte física a ser tratada.

Não é necessário anestesiar o local, mas cremes anestésicos podem ser passados para diminuir o desconforto causado pela perfuração.

O procedimento não é considerado “doloroso” pelos médicos, e sim, “desconfortável” e os pacientes relatam a sensação de formigamento durante a aplicação.

A temperatura do gás tem uma relação direta com o que o paciente sente, porque quando o gás é aplicado frio, há um aumento da dor, enquanto a dor diminui conforme a temperatura sobe.

Cada sessão de carboxiterapia pode causar uma leve vasodilatação. Em alguns casos, aparecem erupções cutâneas, a área ao redor da “picada” pode ficar arroxeada, e pode haver um leve hematoma no local da aplicação, mas desaparece ao longo das horas seguintes.

Qual o efeito esperado em cada parte onde a carboxiterapia é atualmente aplicada?

Além dos efeitos já falados sobre o uso como terapia vascular e em casos raros (ainda mais experimentais) nos lábios e nas linhas ao redor do rosto, os usos mais comuns são estes a seguir:
•    Olhos: a aplicação ao redor dos olhos é usada para minimizar rugas de expressão, e também diminuir a pigmentação que dá o efeito de olhar cansado, as conhecidas olheiras. É importante dizer que esta é a única parte do corpo em que vários especialistas concordam não ser recomendado usar, porque o gás carbônico pode “estourar bolhas e levar a cegueira”.
•    Couro cabeludo: esta aplicação tem o objetivo de ajudar a revitalização do couro cabeludo, e diminuir assim, a calvície.
•    Estrias: seu uso mais comum e mais antigo, quando aplicado diretamente nas linhas que formam as estrias, há uma melhora na aparência do local.
•    Gordura localizada: como auxiliar do tratamento pós-lipoaspiração, e também isoladamente para diminuir as medidas, foi comprovado funcionar, mesmo quando os pacientes não usavam outros tratamentos em conjunto.
•    Rugas ao redor da boca (bigode chinês): é o caso similar ao das estrias, e das rugas ao redor dos olhos, a aplicação tem o objetivo de diminuir os sulcos na pele, causados pela idade.
•    Celulite: imagens de antes e depois mostram uma melhora logo após a aplicação, em média, depois de 5 sessões. Como mencionado anteriormente, apenas nas mulheres, com idade superior a 29 anos, isto foi comprovado, por haver um maior índice de celulite, o que faz com que a “melhora” seja mais visível.

tratamento carboxiterapia para celulite
•    Barriga: é o mesmo caso tratado como gordura localizada.
•    Coxas: a aplicação para a redução da circunferência das coxas também foi comprovada.

Qual é a duração e a sua eficácia?

Os efeitos não são permanentes.

Mesmo em casos como olheiras, ou rugas ao redor dos olhos, uma nova aplicação deve ser feita.

Não há nenhum registro de uma região onde foi usada a carboxiterapia que não tenha necessitado ser ‘retocada” após algum tempo.

Quem usa para diminuir medidas, não entra neste caso, porque as medidas podem ser mantidas com regimes e mudanças de habito, mas quando o tratamento é para a tonificação ou clareamento da pele, foi constatado que o efeito passa em alguns meses.

A duração varia entre três e seis meses.

A necessidade de uma forma de retardar os efeitos do tempo, ou de melhorar a aparência fazem as pessoas buscarem a cada dia por novas soluções.

Cremes, cirurgias, os exercícios, as dietas. Nada disto caiu em desuso, mas como novas técnicas são descobertas e melhoradas a cada dia, é natural que haja uma tendência corrente do tratamento ideal ou dito como mais eficaz no momento.

Sempre busque um profissional qualificado quando o assunto é sua saúde.

 

 

The post Guia Completo sobre Carboxiterapia appeared first on DERMATOLOGISTA ESPECIALISTA.

Saturday, July 2, 2016

Tudo sobre queda de cabelo feminino

A queda de cabelo em mulheres tornou-se um problema comum, qualquer que seja a sua idade. A situação normalmente é uma experiência traumática e deprimente, já que para a grande maioria das mulheres, é o link com a sua identidade feminina.

cabelo caindo mulher

Enquanto algumas causas são inevitáveis, outras são causadas por alimentos que comemos e os produtos químicos que utilizamos em nosso cabelo.

De acordo com a Academia Americana de Dermatologia, cerca de 40 por cento da população feminina vai experimentar perda de cabelo visível até os 40 anos de idade. Fato é, que a maioria das mulheres vai ter que encarar essa situação em algum momento de suas vidas.

Em média, as mulheres têm entre 100.000 a 150.000 fios de cabelo na cabeça. Aproximadamente 90 por cento do seu cabelo estão no ciclo de crescimento, enquanto que 10 por cento está caindo. O cabelo cresce em um ciclo de três fases distintas:

  • A fase anágena é a fase de crescimento ativo, que controla quanto tempo o seu cabelo é capaz de crescer. Ela pode durar de três a sete anos, em média, e é determinada geneticamente.
  • A fase catágena é uma fase intermediária onde o cabelo velho começa a se separar da parte viva do cabelo.
  • A fase final, a fase telógena, é considerado o ciclo de repouso em que as vertentes de cabelo antigas e da papila de cabelo descansam. Essa fase dura cerca de três meses antes de se tornar ativo novamente, resultando em crescimento de cabelo novo.

Excessiva queda diária de cabelo em mulheres, ocorre quando um desequilíbrio interno ativa uma transição prematura para mover da fase de crescimento anágena para a fase de queda.

Isso pode resultar em até 300 fios de cabelo que estão sendo perdidos por dia.O valor normal médio é de 80 a 100 fios de cabelo por dia.

Os fatores mais comuns são anemia, deficiência de ferro, a falta de proteína na dieta, perda de peso rápida, distúrbios da tireóide e desequilíbrios hormonais.

Leia também: O que é Peeling Químico

Principais causas de perda de cabelo em mulheres

  • Genética
    A predisposição genética de equilíbrio e desequilíbrio hormonal, juntamente com a conversão de testosterona em di-hidrotestosterona (DHT), são as causas da perda de cabelo. Ao contrário da crença popular, predisposição genética para a perda de cabelo pode ser herdada tanto pelo lado materno quanto pelo lado paterno.
  • Stress e trauma
    O stress produz o aumento dos níveis de testosterona, que se converte em DHT e interrompe o ciclo de crescimento do cabelo. Estresse e trauma também podem diminuir o fornecimento de sangue para os capilares, causando uma falta de oxigênio, bem como diminuição de absorção de nutrientes e vitaminas pelos fios de cabelo.
  • Nutrição e dieta
    A má nutrição, perda de peso rápida, um alto consumo de gorduras animais e deficiências em biotina, ferro, proteínas e zinco podem reduzir a absorção  de vitaminas e aminoácidos vitais necessários para o crescimento do cabelo. Se você não incluir proteína suficiente em sua dieta, seu corpo pode entrar em modo de fome e desativar o crescimento do cabelo. Isto pode ocorrer cerca de dois a três meses depois de uma queda no consumo de proteinas.
  • Excesso de vitamina A
    Talvez você só começou a tomar um novo multivitamínico, ou iniciado um suplemento contendo vitamina A. Você pode ter elevado os seus níveis de vitamina A, o que pode provocar a perda de cabelo.
  • Baixos índices de injestão de gordura
    Se você estiver com baixo teor de gordura na sua dieta, você pode estar consumindo menos calorias, nutrientes e mais hidratos de carbono do que o seu corpo necessita. Mais importante, pode estar faltando ácidos graxos essenciais, ômega 3 e 6, que nutrem o couro cabeludo e estabilizam o crescimento do cabelo. O estresse de restringir um macronutriente, como a gordura (ou carboidratos ou proteínas) pode forçar mais fios de cabelo a entrar na fase telógena. Semelhante ao estado de baixa da tireóide, o seu corpo recebe a mensagem para racionar; não existe combustível suficiente para suportar a fase de crescimento.
  • Saúde
    Doenças da tireóide, bem como os efeitos colaterais dos medicamentos usados para tratar essas doenças, são as causas mais comuns da perda de cabelo relacionados a problemas de saúde.
    Rápida queda de cabelo pode ser um sinal precoce de um problema de tireóide, muitas vezes diagnosticada pela primeira vez no salão de beleza. Além de desgaste e queda, seu cabelo pode tornar-se grosso, seco e facilmente emaranhado.
    Este tipo de perda de cabelo em geral irá se desacelerar e, eventualmente, parar uma vez que seus níveis hormonais são estabilizados. Mas às vezes o problema pode persistir mesmo após o tratamento, especialmente se você estiver tomando levotiroxina, um hormônio sintético frequentemente utilizado para tratar hipotireoidismo. A perda de cabelo excessiva ou prolongada é um efeito colateral conhecido da droga.
  • Alopecia Androgenética
    Este é o tipo mais comum de perda de cabelo e afeta 30 por cento da mulheres.
    Às vezes as mulheres com alopecia androgenética tem síndrome do ovário policístico (SOP). Sinais e sintomas típicos são cistos ovarianos, menstruação irregulares, ganho de peso, problemas de açúcar no sangue, infertilidade e perda de cabelo. O problema pode ser exacerbado em alguns pacientes que usam medicamentos para problemas de tireóide. Aproximadamente 22 por cento das mulheres com SOP têm alopecia androgênica.
    A boa notícia é que muitas vezes você pode parar e até reverter os sintomas de perda de cabelo uma vez que você equilibrar seus hormônios.
  • Medicação
    Desde medicamentos para controle de natalidade até esteróides anabolizantes, bem como medicamentos para pressão arterial, diabetes, coração e acne, podem causar queda de cabelo temporária ou permanente.
  • Meio Ambiente
    Os poluentes presentes no ar e da água, bem como a exposição ao cloro, metais e minerais, podem levar a desequilíbrios hormonais que podem contribuir para a perda de cabelo. Exposição aos raios UV e radicais livres também pode envelhecer prematuramente as células do couro cabeludo e danificar a haste do cabelo.
  • Gravidez
    As mudanças hormonais durante a gravidez podem levar à perda de cabelo temporária, que pode durar de seis meses a até um ano após o parto. Aproximadamente 50 por cento das mulheres sofrem de perda de cabelo cerca de 6 a 10 semanas após o parto ou após a interrupção da amamentação.
    Mulheres na menopausa também podem experimentar a perda de cabelo devido a mudanças hormonais.
  • Envelhecimento
    Infelizmente, à medida que envelhecemos, os nossos fios podem deteriorar-se e causar a perda de cabelo.

tratamento para queda de cabelo

Tratamentos para queda de cabelo em mulheres

Tratamento de perda de cabelo como resultado de desequilíbrio da tireóide, síndrome de ovário policístico e outras condições médicas de longa data, podem ser mais complicados, e deve-se procurar o conselho de seu médico.

  • Minoxidil pode ser uma escolha eficaz para mulheres com queda de cabelo geneticamente orientado. Minoxidil pode ajudar a retardar o processo de perda de cabelo em algumas mulheres. Ele funciona através da melhoria dos níveis de potássio nos capilares que alimentam o fio de cabelo, e às vezes pode ajudar a reduzir a queda de cabelo. Os pesquisadores não sabem todas as razões porque minoxidil funciona, mas ajuda a aumentar o fluxo sanguíneo e estimula o crescimento. Lembre-se, no entanto, que pode demorar pelo menos dois meses para despertar um fio de cabelo dormente, levando a um novo crescimento.
  • Transplante de cabelo pode ser muito eficaz e também ter um aspecto extremamente natural quando feito por um médico experiente.
  • Injeções de cortisona. Elas suprimem o sistema imunológico do corpo para que ele não ataque os fios de cabelo. Em certos casos, pode ser eficaz. O tratamento pode ser doloroso, no entanto, e não há garantia de que vai funcionar.
  • Tratamentos a laser, podem ser uma escolha eficaz. Eles funcionam através da bioestimulação, onde os rios infra-vermelhos, estimulam as células do cabelo e da pele, através do couro cabeludo. Esse tratamento pode levar até dois meses para começar a dar resultados. Você também deve continuar a usar o laser como manutenção, a fim de manter os resultados. Combinando tratamentos a laser com produtos tópicos, muitas vezes apresenta melhores resultados.
  • A terapia com células-tronco ainda está em fase experimental. Alguns médicos estão agora a injeção de nutrientes e / ou as células-tronco no couro cabeludo, alegando que ele pode tratar a perda de cabelo, mas mais uma vez que pode ser caro para a mulher média”, diz Blaisure.
  • Tratamento de plasma rico em plaquetas. Utiliza suas próprias plaquetas do sangue, um tipo de célula sanguínea, para estimular as células a crescer o cabelo. Depois que o sangue é tirado, o sangue é colocado em uma máquina que separa seus diferentes componentes. As plaquetas extraídas são então tratadas e injetadas em seu couro cabeludo. Como a terapia com células-tronco, este procedimento ainda está em sua fase inicial de pesquisas e testes

Utilizando o próprio cabelo

  • Invista em um bom corte de cabelo que irá camuflar as áreas de desgaste.
  • As perucas são outra grande solução para esconder a perda de cabelo.

Alguns exames que seu médico pode requerer:

  • Hemograma completo (uma medida de saber se você está anêmica e seu sistema imunológico está funcionando)
  • A ferritina (o teste mais sensível para os estoques de ferro em seu corpo)
  • Tireóide (TSH), T3 livre, T4 livre, e, possivelmente, T3 reverso.
  • Cortisol, livre e metabolizado
  • Insulina em jejum e glicose
  • A testosterona (testosterona total e livre em mulheres com perda de cabelo)

Minoxidil

Comprar Minoxidil na farmácia

No Brasil você encontra a loção e comprimido pelos nomes comerciais:

  • Rogaine (ou Regaine): Solução tópica em spray, conta-gotas ou refil. Tem o Rogaine 2% para mulheres e Rogaine 5% para homens.
  • Loniten: Versão do Minoxidil 10% em comprimido.
  • Aloxidil: Solução capilar comercializado pela Theraskin.

Os preços dos produtos acima variam entre R$31,00 e R$140,00.

Como usar Minoxidil

Depois de se decidir pelo uso minoxidil diáriamente, é recomendado tirar algumas fotos para efeitos de comparação futura.

  • Verifique se o seu cabelo está seco antes de começar aplicação.
  • Aplicar a dose no couro cabeludo (2 por cento ou 5 por cento).
  • Lave as mãos imediatamente após a aplicação, pois pode manchar sua roupa e roupas de cama.
  • Deixe secar por 2 a 4 horas. Não usar shampoo, produtos de cabelo em geral, ou usar secador durante quatro horas.
  • Aplique duas vezes por dia ou como recomendado pelo seu profissional de saúde.

Então espere pacientemente por quatro meses e veja o seu cabelo crescer. Infelizmente, esta não é uma cura definitiva. Ao deixar de usar minoxidil, a queda de cabelo pode voltar, a menos que se tenha corrigido a causa original.
Minoxidil tem sido usado por mais de trinta anos.

Artigo relacionado: Tratamento para queda de cabelo masculino

Em São Paulo, recomendamos dermatologistas especialistas em queda de cabelo nos links abaixo:

http://perdizes.dermatologistaespecialista.com.br/

http://pinheiros.dermatologistaespecialista.com.br/

http://morumbi.dermatologistaespecialista.com.br/

http://vilaolimpia.dermatologistaespecialista.com.br/

 

 

The post Tudo sobre queda de cabelo feminino appeared first on DERMATOLOGISTA ESPECIALISTA.

Tuesday, June 28, 2016

O que é peeling químico?

Também chamado tratamento de esfoliação, é uma técnica de regeneração da pele, tendo assim um efeito “anti-envelhecimento”. Uma avaliação antes do tratamento, bem como o tratamento em si deve ser feita por um médico experiente em dermatologia.

Por meio desta técnica, a pele esfoliada é seguida por uma regeneração cutânea. A pele “nova” é mais suave e aparece mais “saudável”.

 

peeling

 

Benefícios do Peeling Quimico

  • Baixo risco

Existem peelings químicos que são seguros para uso em todas os tons de pele, sem risco de hiperpigmentação (geralmente uma preocupação com a pele mais escura).

Os dermatologistas também podem customizar um blend de ácidos para atender a necessidades específicas de cada paciente.

  • O uso correto do peeling pode ajudar no tratamento de acne e cicatrizes de acne.

O peeling de ácido salicílico e o peeling de Jessner (ácido salicílico, ácido láctico e resorcinol, um esfoliante antisséptico) mergulham profundamente na pele para desobstruir os poros, ao mesmo tempo que esfolia a superfície corroendo os cravos e as marcas de espinhas.

Outra vantagem do ácido salicílico: Ele permanece nos poros, onde continua a mantê-los claros ao longo do tempo.

  • Ótima opção para controlar o melasma.

Não existe uma cura permanente para as manchas escuras desencadeadas pela ação recorrente de raios de sol, e provocadas por surtos hormonais (como aquelas causadas por gravidez e pílula), mas peelings químicos oferecem uma boa opção para amenizar o melasma.

Leia também: Ácido azeláico: Para que serve?

Quais são os tipos de peelings químicos?

 

Diferentes substâncias químicas podem ser usadas.

Os peelings podem variar de categoria, sendo considerados “leves” (quando agem nas camadas superficiais da pele) ou “profundos” (camadas mais profundas da pele). Por exemplo, peeling de ácido fenol e peeling de ácido glicólico estão em extremos opostos quando falamos de peeling químico. peeling de ácido glicólico são considerados leves e peeling de ácido fenol são incrivelmente fortes.

Peelings mais leves, resultam um uma pele mais lisa e brilhante. Estes peelings químicos superficiais na verdade, não “quebram” profundamente a pele; eles agem como dissolvendo levemente. Dissolvendo as camadas superiores da pele, os poros parecem menores, mais acne é limpa, e um brilho instantâneo retorna para a pele. Estes resultados podem durar até um mês.

Uma vantagem adicional é que os peelings também ajudam o seu creme hidratante favorito penetrar mais profundamente e de forma mais eficaz, ao mesmo tempo, estimulando a produção de colágeno do seu corpo.

Peelings mais fortes, como o peeling de ácido fenol, trabalham ativando a resposta de cura a uma “ferida” de sua pele, dissolvendo as camadas mais profundas da pele.

À medida que o tecido é removido, uma ferida é criada na pele, que estimula a resposta de cura do corpo, fazendo com que o tecido novo apareça. Assim como peelings superficiais, a profundidade e a força do peeling, varia com base na resistência dos produtos químicos utilizados e o período de tempo que a solução é aplicada. 

Os ácidos utilizados em peelings químicos, forçam a pele a verter as camadas mais externas danificadas.

Muitas vezes referidos como peelings profundos, eles tendem a dar os resultados mais dramáticos, mas também exigem um tempo de recuperação maior, (entre 2 semanas a 3 meses). O resultado final, no entanto, pode durar anos.

 

peeling quimico para tratamento de rugas

 

Peelings químicos são um instrumento eficaz para regenerar a pele, suavizando rugas e linhas finas e melhorando a textura da pele

Nem todos os peelings funcionam da mesma forma. Há diferentes tipos de peelings: superficial, médio e profundo. Peelings médios e profundos são mais eficazes para redução de rugas

 

o tratamento

 

A aplicação de peeling é um pouco desconfortável. Os produtos são razoavelmente abrasivos, mas a aplicação é rápida. O processo leva cerca de 30 minutos.

peeling-quimico

 

O que fazer após a sessão de tratamento?

Depois de uma sessão de peeling, a pele fica super seca, então você vai precisar hidratar o dobro do que faria normalmente.
  • Uso de cremes hidratantes.
  • Evitar o toque na área tratada.
  • Evite exposição ao sol e sempre lembrar de aplicar protetor solar.
  • Não se aplicar cremes anti-envelhecimento por uma semana.
Protetor solar durante o dia é uma necessidade absoluta, enquanto a pele é extra vulnerável. A última coisa que você quer fazer é ficar queimada, enquanto sua pele está tentando regenerar uma nova camada.
Os peelings químicos geram uma pele nova e linda. Esta nova pele, é portanto, um pouco mais suscetível aos danos dos raios solares. Por esta razão, é geralmente mais vantajoso utilizar peelings químicos durante o outono e inverno.
Importante ressaltar que a pele é um órgão delicado e complicado, e com tantas opções disponíveis pode gerar muita dúvida em qual tratamento escolher. Não tema! Seu médico dermatologista de confiança pode fazer uma análise da sua pele em profundidade e recomendar o mais seguro e eficaz tratamento, adaptado às suas necessidades individuais.

Artigo relacionado: Guia Completo Microdermoabrasão: Peeling de Diamante e Peeling de Cristal

Em São Paulo você encontra a Clínica de Dermatologia Perdizes

The post O que é peeling químico? appeared first on DERMATOLOGISTA ESPECIALISTA.

Friday, June 10, 2016

Tratamento para varizes nas pernas

As varizes estão presentes em homens e mulheres e incidem com mais frequência nas pernas.

O motivo é que, caminhar e se manter de pé, causam uma sobrecarga das veias dos membros inferiores, que ficam dilatadas permanentemente.

Muitas pessoas procuram tratamento para varizes nas pernas, pois o aspecto avermelhado, roxo, e as dores locais, geram um desconforto muito grande.

varizes nas pernas

As varizes também podem ser indicadoras de maiores riscos a problemas de circulação.

Os fatores que mais causam as varizes são:

• Genética;
• Obesidade;
• Maior número de gestações;
• Uso de anticoncepcionais;
• Carregar muito peso;
• Ficar muito tempo em pé ou sentado.

As varizes

Os vasos ficam na epiderme, que é a camada mais superficial da pele e as varizes, por sua vez, estão localizadas na camada de gordura que fica abaixo da pele.

Ao contrário do que muita gente pensa, os vasos não se transformam em varizes com o tempo, e o contrário também não ocorre, ao passo que elas são estruturas vasculares distintas e também estão em posições diferentes dentro do corpo.

No entanto, as varizes podem subir, chegando mais perto da superfície da pele e gerando vasinhos superficiais. No tratamento das varizes é preciso descobrir qual é a veia principal que nutre os vasinhos, pois se somente os vasinhos são secados, o problema volta depois de um tempo.

Tratamento para varizes nas pernas

No tratamento das varizes nas pernas é feita uma microcirurgia nas veias que alimentam os vasos. Após esse processo, é feita a escleroterapia, que irá secar os vasinhos, já que a raiz do problema já foi eliminada.

Esse procedimento não é realizado em pacientes gestantes, com problema de circulação arterial, com infecções ou que estão em tratamento de quimioterapia.

No tratamento também existe o uso de meias compressoras, que são indicadas pelo médico de acordo com o grau de necessidade do paciente. É crucial que a meia seja indicada por um especialista e jamais comprada por conta, ao passo que o uso de uma compressão maior que o necessário pode causar complicações. Entre os tipos de meias de compressão estão os níveis suave, média, alta e extra-alta.

varizes nas pernas meia de compressao

Para quem trabalha muito tempo em pé ou muito tempo sentado, é importante que sejam feitas algumas pausas durante o expediente para exercitar a panturrilha.

Entre os movimentos mais recomendados estão esticar a panturrilha e voltar à posição inicial, que pode ser feito sentado ou em pé. Estando sentado na cadeira, estique uma perna e movimente o tornozelo para cima e para baixo. O segundo exercício mais indicado é deixar as pontas dos dois pés sobre um degrau e afundar o calcanhar, que irá esticar a panturrilha, e depois voltar à posição inicial.

No caso de varizes mais severas, o seu médico poderá recomendar algum outro tratamento dentre os seguintes:

  • Escleroterapia
  • Cirurgia a laser
  • Procedimento assistido por catéter usando radiofrequencia ou laser.
  • Cirurgia endoscópica

Links:

http://g1.globo.com/bemestar/videos/t/edicoes/v/cirurgiao-vascular-da-dicas-para-evitar-vasinhos-e-varizes/1998418/

http://campograndems.dermatologistaespecialista.com.br/

 

 

The post Tratamento para varizes nas pernas appeared first on DERMATOLOGISTA ESPECIALISTA.

Tuesday, May 31, 2016

Sutura Silhouette: Tratamento para flacidez no rosto

A Sutura Silhouette, Silhouette Lifting ou fio de ácido polilático, é um tratamento para flacidez no rosto e é indicado logo aos primeiros sinais, para que possa ser evitada uma cirurgia plástica no futuro.

Sutura Silhouette

A flacidez é a falta de rigidez do tecido celular, deixando a pele com aspecto murcho e mole.

O tratamento é sempre a melhor opção a se escolher, já que não envolve cortes e anestesias gerais, que levam os pacientes a um quadro de maior risco.

Especificamente, a flacidez no rosto causa a perda do contorno facial e deixa as bochechas caídas, dando a aparência de cansaço e tristeza ao indivíduo, mesmo que ele esteja se sentindo muito bem por dentro.

Isso incomoda até os menos vaidosos, e é por esse motivo que muitas pessoas desejam recorrer aos tratamentos dermatológicos para mudar essa realidade e também para ficar com uma aparência mais jovem.

Conheca nova tecnologia para tratamentos de flacidez no rosto

 Fio de acido polilático

Sutura silhouette ou fio de ácido polilático

No tratamento para flacidez no rosto existe uma técnica chamada fio de ácido polilático, que levanta a bochecha, a papada e a sobrancelha, criando o efeito lifting.

Essa técnica não é responsável por esticar as rugas, mas para tratar exclusivamente a flacidez.

Como funciona a Sutura Silhouette

O médico faz furos estratégicos no rosto, de acordo com a necessidade de cada paciente, e com uma agulha fina, o fio é colocado logo abaixo da pele e é puxado para cima.

O fio inserido, possui pequenos cones que ajudam a puxar os tecidos, resultando no efeito lifting sem a necessidade de cortes.

É um tratamento rápido, que chega a durar 2 anos.

Antes da aplicação do fio, que dura em torno de uma hora, é aplicada uma anestesia local, e o resultado no rosto é imediato e fica bastante natural.

A técnica do fio de ácido polilático também estimula a produção de colágeno, substância que ajuda na sustentação e firmeza da pele, trazendo um excelente efeito a longo prazo.

Esse material do fio é absorvido totalmente pelo organismo no período de 1 ano e meio a 2 anos e pode ser refeito, caso o paciente deseje. No entanto, como ele também estimula a produção do colágeno, deixa a pele cada vez mais espessa, melhorando sua firmeza e jovialidade.

Não se tem registros relevantes de contraindicaçōes, e o procedimento deve ser executado por um dermatologista especialista ou cirurgião plástico.

silhouette lifting

Outro tratamento para a flacidez no rosto é a radiofrequência. Nessa técnica, a pele é aquecida e se mantém na temperatura de 40 graus na superfície e chega a 60 graus na parte mais profunda da pele, para estimular a produção de colágeno.

Durante a aplicação pelo profissional, a temperatura da pele é monitorada o tempo todo. Além de melhorar o contorno do rosto, essa técnica também suaviza as rugas ao redor dos olhos, ameniza o aspecto das olheiras e deixa a pele mais firme.

São recomendadas de 6 a 8 sessões, com o intervalo de 15 dias entre uma sessão e outra, e é um tratamento indicado aos primeiros sinais de flacidez no rosto. Para casos mais avançados, com a perda de todo o contorno do rosto e com flacidez também no pescoço, a cirurgia plástica é indicada.

Você encontra profissionais especializados em tratamentos para combater a flacidez da pele nos links abaixo:

campograndems.dermatologistaespecialista.com.br

http://vilaolimpia.dermatologistaespecialista.com.br/

pinheiros.dermatologistaespecialista.com.br

 

The post Sutura Silhouette: Tratamento para flacidez no rosto appeared first on DERMATOLOGISTA ESPECIALISTA.

Wednesday, May 25, 2016

Como tirar as espinhas do rosto

Todos desejam tirar as espinhas do rosto, porque elas são erupções que o deixam avermelhado, levando a cicatrizes em alguns casos. Mas para que você possa eliminá-las, é interessante saber primeiro o motivo do aparecimento das tão indesejadas espinhas.

espinhas no rosto
A acne, popularmente chamada de espinha, é uma doença inflamatória, geralmente hereditária.

Existem dois tipos de acne: a inflamatória e a não inflamatória.

A acne não inflamatória ocorre quando há apenas a obstrução dos poros, onde aparecem os pontos pretos que chamamos de cravos.

As glândulas sebáceas têm a função de produzir uma camada oleosa protetora sobre a pele, e para aqueles que têm predisposição ao aparecimento da acne, sofrem pelo excesso de produção desse óleo pela glândula e o acúmulo do sebo resulta no cravo.

Devido à penetração de bactérias, ocorrem lesões avermelhadas e com pus, que é a chamada acne inflamatória ou como popularmente conhecemos: as espinhas.

Além de fatores hereditários, hormonais, ansiedade e estresse, qualquer dieta rica em açúcar também pode contribuir para a obstrução das glândulas sebáceas, que resulta no aparecimento dos cravos e espinhas.

Como tirar as espinhas do rosto

O tratamento para remoção da espinha consiste na limpeza e aplicação de produtos na pele e até de medicamentos via oral que regulam a oleosidade.

como tratar espinhas no rosto
Lavar o rosto:

A higienização da pele deve ser feita de 2 a 3 vezes ao dia para eliminar impurezas, bactérias e o excesso de oleosidade.

Evite lavar o rosto mais do que 3 vezes ao dia, ao passo que o corpo irá produzir ainda mais oleosidade, por entender que a pele está ficando ressecada. A limpeza pode ser feita com sabonete e depois com a aplicação de um tônico.

Fazer limpeza de pele:

Ela irá fazer uma limpeza mais profunda na pele do que conseguimos fazer lavando o rosto no dia a dia. No entanto, deve ser feita no intervalo de 2 a 3 meses, para que a pele não fique sensível ou machucada.

Fazer peeling:

O peeling ajuda a melhorar a qualidade da pele e consiste na aplicação de um ácido, que pode atuar removendo a camada superficial da pele para o tratamento de cicatrizes ou inibindo as glândulas sebáceas, e também ajudará a clarear as manchas da pele.

Esse tratamento é indicado para ser feito no período do inverno, já que a intensidade dos raios ultravioleta fica mais baixa e as pessoas se expõem menos ao sol.

Tomar medicamentos:

Em caso de inflamações profundas, onde a vermelhidão e o inchaço são aparentes e ocorre dor na região da espinha, uma boa opção é procurar um médico dermatologista, que seja oficialmente membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia para verificar qual será o medicamento adequado para ser aplicado sobre a pele e até mesmo via oral.

Também é importante evitar levar as mãos ao rosto, porque é a parte do corpo que mais usamos para tocar em objetos, o que pode ocasionar no acúmulo de bactérias atrás das unhas.

Portanto, além da higienização do rosto, cuide da limpeza das mãos e unhas.

Com esses cuidados você terá uma pele menos vulnerável ao desenvolvimento de bactérias, cravos, espinhas e com consequentemente uma aparência mais saudável.

 

 

Recomendamos Dermatologistas nas seguintes regiōes:

Campo Grande MS – http://campograndems.dermatologistaespecialista.com.br/

Morumbi SP – http://morumbi.dermatologistaespecialista.com.br/

Pinheiros SP – http://pinheiros.dermatologistaespecialista.com.br/

Perdizes SP – http://perdizes.dermatologistaespecialista.com.br/

Vila Olimpia SP – http://vilaolimpia.dermatologistaespecialista.com.br/

 

The post Como tirar as espinhas do rosto appeared first on DERMATOLOGISTA ESPECIALISTA.

Friday, March 25, 2016

Guia completo sobre Psoríase

Este é um guia completo sobre a PSORÍASE.

Iremos abordar os seguintes temas:

  • O que é psoríase?
  • O que causa psoríase?
  • Tipos de psoríase mais frequentes
  • Sintomas da psoríase
  • Tratamentos para psoríase
  • Psoríase coça?

 

Causas da Psoriase

 

O que é Psoríase?

 

A psoríase é muito mais comum do que aparenta ser, é uma doença que tem como característica algumas lesões bem avermelhadas e que também apresenta descamações, geralmente em placas.

Essas placas costumam aparecer com frequência e em diversas partes do corpo, como:

  • Couro cabeludo
  • Cotovelos e joelhos
  • Pés
  • Mãos
  • Unhas
  • Região genital

O aumento da psoríase pode variar de pequenas lesões na pele até o comprometimento geral da derme.

A psoríase é uma doença crônica em que o organismo ataca ele mesmo, não é contagioso e pode ser rotineiro.

A sua gravidade costuma variar, podendo aparecer em lesões mais leves e fáceis de serem tratadas até lesões mais complicadas e extensas, que podem acarretar na insuficiência física, atacando também as articulações.

O que causa Psoríase?

 

Alguns médicos sentem uma certa dificuldade em falar sobre as causas da psoríase, porque a causa ainda é “desconhecida”, ou seja, não sabemos o que de fato pode acarretar no aparecimento desta doença.

O que muitos médicos acreditam até agora, é que todos os sistemas imunológicos tem uma célula chamada de célula T, essa célula viaja todo o corpo em busca de algo que se caracterize como estranho, podendo ser uma bactéria ou ate mesmo um vírus, para que possa combatê-los e nos livrar de qualquer infecção.

Mas se você tem psoríase, as células T acabam combatendo as células saudáveis, como se fosse para te livrar de uma infecção ou ajudar a cicatrizar uma ferida, por exemplo.

Consequentemente, pode trazer complicações, como a dilatação de alguns vasos sanguíneos e o número crescente de glóbulos brancos, que estão em grande número e avançam de forma muito rápida para a parte externa da pele, que provoca o aparecimento das lesões avermelhadas da qual te expliquei no início do artigo.

Essa doença funciona com um ciclo contínuo, que só terá fim se você fizer o tratamento adequado.

Os médicos também pressupõe que a genética determina, na maioria dos casos, no aparecimento da psoríase. Mas alguns fatores ambientais também podem estar associados ao aparecimento da mesma.

Alguns fatores que podem contribuir para o aparecimento da psoríase, são:

  • Infecções na garganta e na pele
  • Algumas lesões na pele, como: feridas, queimaduras de sol. machucados, de natureza química, elétrica, cirúrgica ou inflamatória.
  • Estresse em excesso
  • As variações climáticas
  • Fumo
  • Consumo exacerbado de bebidas alcoólicas
  • Alguns medicamentos, como para tratar transtornos bipolares e malária

 

Tipos de psoríase mais frequentes:

 

  • Psoríase em placa
    Essa é considerada a forma mais comum e abrangente da doença e sua principal característica é a variedade do tamanho das suas lesões e feridas. Elas podem surgir em diversos locais, mas os locais mais frequentes são: O Joelho, o couro cabeludo e cotovelos.
    Cerca de 80% das pessoas que sofrem com a psoríase, tem esse tipo da doença.
  • Psoríase Gutata
    Essa pode ser considerada a segunda forma mais comum entre as crianças e jovens de até 30 anos (dados da sociedade brasileira de dermatologia). Ela nunca vem sozinha e normalmente é proveniente de infecções bacterianas e costumam aparecer em pernas, troncos, braços e no couro cabeludo.
    No geral, 10% das pessoas que sofrem de psoríase, têm esse tipo da doença.
  • Psoríase do couro cabeludo
    Essa é a segunda forma mais comum no geral e cerca de 65% de toda a população que possui psoríase, sofre com esse tipo da doença. Como o nome já diz, o local que mais sofre com os sintomas da doença é o couro cabeludo, porém quando a doença vai ficando em um estágio mais avançado, a psoríase pode se alastrar para o pé do cabelo e para trás das orelhas.

causas da psoriase

 

  • Psoríase invertida
    Esse tipo de psoríase não atinge o couro cabeludo e nem as regiões mais lisas, se assim posso dizer. Ela vai atingir regiões que possuem muita pele acumulada, axilas, pescoços, virilhas e embaixo dos seios, porém, ainda assim poderá atingir as suas extremidades e causar rachaduras na pele.
    É importante dizer que esse tipo da doença acomete principalmente as pessoas que estão acima do peso ideal, pois nelas, o acúmulo de pele é maior e o atrito entre elas também, o que faz com que os sintomas se agravem.

 

Sintomas da Psoríase

Os sintomas da psoríase podem e irão variar de pessoa para pessoa e de tipo para tipo. Nesse primeiro momento, iremos abordar os sintomas que são mais comuns entre as pessoas e os tipos, depois vamos falar dos sintomas mais característicos de cada tipo.
Os sintomas mais comuns são:

  • Pele avermelhada
  • Pequenas manchas avermelhadas
  • As unhas em situação adversa: podem estar amareladas, esfareladas e descoladas
  • Articulações inchadas, rígidas e doloridas

Sintomas da Psoríase em placa

  • Placas de alto relevo, que costumam ser vermelhas e cobertas de escamas da cor prata e costumam cair regularmente.

Sintomas da Psoríase Gutata

  • Pequenos pontos escamosos e avermelhados na pele (Eles se parecem muito com pontos de água, quando ela é borrifada na pele).

Sintomas da Psoríase do couro cabeludo

  • A descamação pode ser fina ou extremamente grossa, se transformando em grandes placas que cobrem toda a região do couro cabeludo.

Sintomas da Psoríase invertida

  • Manchas vermelhas e lisas em torno da pele acumulada e que com a fricção podem ser agravadas.

 

Tratamento para psoríase

 

Mesmo com todos esses sintomas um pouco assustadores, existe tratamento para a psoríase.
Não tem como prevenir essa doença, mas é completamente possível que você controle os primeiros aparecimentos.
A forma que você tratará a psoríase dependerá da “manifestação” da doença, podendo variar de aplicações fáceis de medicação tópica até tratamentos mais cuidadosos e complexos.
O tratamento também pode variar de pessoa para pessoa e o estado emocional do paciente nunca poderá ser deixado de lado.
Claro que uma vida saudável e balanceada, sem estresse e muitas preocupações contribuirá para a melhora do paciente.
Ainda não existe uma cura para a psoríase, não tem como ser dito que a doença não aparecerá depois que os sintomas forem tratados.
Para conseguir a total “remoção” da doença, existem quatro principais tipos de terapia para a psoríase:

tratamento para psoriase

  • Tópicos
    Esse tipo de tratamento é para tratar a psoríase mais leve, aquela que afeta 30% ou menos da superfície da pele.
    Para esse percentual, utiliza cremes e pomadas em cima das regiões afetadas.

 

  • Fototerapia
    É uma técnica terapêutica que utiliza a emissão artificial e indolor da radiação ultravioleta.
    Esse tratamento é fornecido por aparelhos especiais em forma de cabine com lâmpadas fluorecentes.
    Quando é usado junto com medicamentos, os psoralenos ( substâncias foto ativas) é chamado de puvaterapia.
    É comum que nesse tratamento também utilize somente a radiação UVB na forma mais utilizada ou em um tipo que recebe o nome de NARROW-BAND.
    É como se fosse uma sessão de bronzeamento.
    Para esse tratamento você entrará numa cabine com lâmpadas especiais e ficará lá por alguns minutos com a pele afetada exposta a luz e a pele saudável sendo protegida por protetor solar ou uma roupa especial.
    Assim como o bronzeamento, você terá que repetir as sessões, no caso da doença, as sessões são semanais e a duração do tratamento dependerá do grau em que as lesões forem melhorando.
    Diferente dos outros tratamentos, a fototerapia tem uma vantagem em relação ao sol, não precisa depender das estações do ano, nuvens e horário para continuar as sessões e conseguir resultados satisfatórios.
    Além disso, na fototerapia você consegue ter mais segurança na dosagem de radiação ultravioleta.
    Pode acontecer de surgir algumas queimaduras, mas é bem raro.
    Como nada é perfeito, a fototerapia te proporciona segurança nas dosagens, mas possui efeitos colaterais, como:
    -Envelhecimento precoce
    -Maior risco de ter câncer de pele

 

  • Terapia sistêmica
    Essa terapia utiliza medicamentos por um longo período, podendo ser via oral ou em injeções.
    O uso deste tratamento é principalmente indicado nos casos mais moderados e graves e também nos pacientes que não conseguiram resultados com o tratamento tópico.
    Uma boa parte das terapias sistêmicas não deve ser usado por gestantes, porque pode causar anomalias congênitas no feto.

 

  • Terapias biológicas
    Esse tratamento é utilizado em uma parte específica da resposta imunológica, bem diferente das terapias sistêmicas que ajuda todo o sistema imunológico.
    Devido a isso, a terapia biológica deve ter menos efeitos colaterais que o tratamento sistêmico, mas não tem tempo suficiente para que isso fosse provado.
    Além deste fato, alguns biológicos são incrivelmente eficazes no controle da artrite psoriática.
    Hoje em dia, com a medicina em constante crescimento, já existe cinco biológicos sendo desenvolvidos para o tratamento da psoríase moderada e grave.
    -Alefacepte
    -Etarnecepte
    -Infliximabe
    -Adalimumabe
    -Ustekinumabe

Quanto mais informações você souber sobre as terapias e o que esperar delas, fica muito mais fácil para você controlar de forma amigável a sua psoríase.
Não adianta, essa doença necessita de um controle permanente, você precisa ir descobrindo o que será melhor para o seu tratamento.
Vale ressaltar que por ser uma doença crônica, não tem cura, mas tem tratamento e você não poderá desistir de controlar na primeira tentativa mal sucedida.

 

Psoríase coça?

 

A coceira é um dos principais sintomas e com certeza um dos mais incômodos também, cerca de 80% das pessoas que possuem essa doença reclamam do desejo quase irresistível de coçar a lesão.
A gravidade da coceira pode variar de pessoa para pessoa, podendo se concentrar em uma única área afetada.
O grau da coceira também é um dos fatores que podem variar, existe pessoas que possuem uma coceira leve, enquanto outras pessoas podem apresentar grau elevado e coçar a lesão até sangrar.
Muitas pessoas acham que a coceira pode fazer com que a psoríase se espalhe com mais facilidade pela pele, o que é totalmente errado.
A psoríase não irá espalhar por você coçar a lesão, ela simplesmente vai deixar de cicatrizar por você estar ferindo ainda mais.
Os médicos aconselham fortemente que você tente fazer algo que diminua a vontade de querer coçar, para que os sintomas melhorem e não agrave a situação da lesão.
Se você não conseguir fazer com que a irritação pare por algum tempo, é importante que você procure o seu médico e compartilhe com ele todo o seu incômodo.
Aproveite a oportunidade de estar com o seu médico, para explicar em que área coça mais, qual a duração entre as coceiras, qual o grau de irritação que você sente e o que anda fazendo para retardar a vontade de coçar a área.

Psoriase coca

 

Não se esqueça que você precisa ter força de vontade para conseguir controlar a psoríase, levar uma vida mais leve e sem estresse também contribui para a melhora da doença.

O fator emocional é considerado um forte elemento tanto no aparecimento quanto no tratamento da Psoriase.

Em momentos de crises mais severas, procure um médico Dermatologista e busque realizar atividades que te dão prazer.

Existe uma organização chamada Psoríase Brasil que luta para ajudar as pessoas que já foram afetadas pela doença e faz diversas pesquisas para tentar mostrar ao governo que essa doença é grave e se faz necessários programas informativos para poder ajudar os afetados e impedir que ocorra algum tipo de preconceito da população para com os enfermos.

Cerca de 125 milhões de pessoas possuem a doença em todo o mundo.

No Brasil, há cerca de 5 milhões de portadores da doença e segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, somente cerca de 5% fazem tratamento.

Em maio de 2014, a Organização Mundial da Saúde – OMS –, em sua 67a Assembleia, reconheceu a psoríase como uma doença grave, incapacitante, dolorosa, não transmissível e para a qual ainda não existe cura.

Ter um acompanhamento de saúde profissional é o princípio básico para conviver com a doença. Não adianta esperar remédios imediatos e milagrosos.

Abaixo listamos algumas localidades em São Paulo, onde você pode encontrar Dermatologistas Especialistas no tratamento da Psoríase:

Morumbi | Vila Olímpia | Pinheiros

Outros artigos:

Peeling de Diamante e Peeling de Cristal

Como tirar o amarelado da unha

 

 

The post Guia completo sobre Psoríase appeared first on DERMATOLOGISTA ESPECIALISTA.